Sem história.

Fiz-me vadio para poder roçar tudo o que vadia: tomei-me de ternura por tudo o que não sabe a que se aquecer, e amei apaixonadamente tudo o que vagabundeia.

André Gide, Frutos da Terra (Nova Fronteira, pg. 83)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s