O imprevisto!

Mas não aguento mais: parto…vou viajar.
– Você? – disse Roland. – Ah! Para onde, e quando?
– Depois de amanhã. Para onde? Não sei…mas, caro amigo, você compreende que se eu soubesse para onde vou, e para fazer o quê, não sairia da minha aflição. Parto simplesmente por partir; a própria surpresa é meu fim….o imprevisto. Entendeu? O imprevisto!

André Gide, Paludes (Noa Fronteira, pg. 52)