Insônia.

insonia.jpg

Como chateia isso de ouvir
ladrarem os cães à noite!
E o pior é que nem sou fumante.
Folheio uma revista, ligo
e desligo a TV, preparo um chá.
Que fôlego têm esses cães!
Deviam ser políticos.
Sorvo meu chá e reconheço
que encalhei nos sargaços,
prendeu-se a aba da vida
numa rebarba da cerca
e aqui estou, entre a xícara
e o Universo, perplexo.
Minha voz resmunga e eu me assusto;
só me faltava dar em falar sozinho!
Porra, será que esses malditos cães
não tem um osso para roer?!
Abandonei o fumo, deixei de beber
e confesso que me sinto muito pior.
Antes, ao menos, eu acendia um cigarro
ou brincava com as pedras de gelo e tudo
ia tomando seu lugar. Mas essa
de estar aqui sentado numa poltrona,
como quem espera sua vez no dentista,
é mesmo uma grande chatice.
Amanhã não vou ao trabalho.
Que diabo vou fazer lá se nem mesmo sei
o que ando a fazer no mundo?!
Escrevo uma carta simples, objetiva,
meto-a no correio e depois vou ao cinema.
Para sempre. Lá ao menos a vida se resolve
em duas horas, com direito
a jornal, desenho animado e trailer.
Por que será que os cães deixaram de latir?

Eduardo Alves da Costa, Poesia Reunida, p. 218-9 (Geração Editorial)

Anúncios

2 comentários sobre “Insônia.

  1. ah . esqueci . sou uma das vítimas da insônia . mas felizmente aprendi a conviver com ela e já não a sinto tão nefasta assim . tb parei de beber e de fumar (ai qta saudade dos vicios) . mas me embriago hoje com o mundo virtua (bendita seja a internet) .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s